Você lê aquilo que curte ou compartilha nas redes sociais?

Se você está aqui, já é um bom sinal. As redes sociais apresentam uma dinâmica bastante peculiar em relação às outras mídias: a capacidade de medir o engajamento. Mas… até que ponto esta medição é real?

Vivemos um fenômeno bastante interessante nesta era da informação orientada à redes sociais. As pessoas têm maior acesso à informação, porém, insistem em permanecer na superficialidade, pois, não saem do título das matérias. Hoje acompanho diversos sites e portais na web e acontece um fenômeno curioso: os artigos tem mais curtidas e compartilhamentos nas redes sociais do que leituras no site. Com este dado é possível fazer uma simples constatação: as pessoas curtem e compartilham o conteúdo sem ler.

Existem dois grandes perigos nesta prática. O primeiro é a superficialidade e o segundo é a autenticidade. Satisfazer-se somente com o título da notícia pode causar uma falsa sensação de conhecimento, quando na verdade o conteúdo vai muito além da notícia. É preciso digeri-lo, criar senso crítico e questionar-se. Além disso, quando curto ou compartilho, estou dizendo às pessoas que me seguem que eu valido, autorizo e concordo com aquele conteúdo, mesmo sem lê-lo. É como assinar um contrato em cartório sem saber o que ele diz.

Para haver comunicação é preciso silêncio. “O silêncio é parte integrante da comunicação e, sem ele, não há palavras densas de conteúdo.” Bento XVI, 46º mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais. Este silêncio compreende o período entre o término da leitura e o início da reflexão, que sem ele (silêncio), torna a leitura ineficaz.

Faça uma breve reflexão: estou realmente lendo, digerindo e compreendendo aquilo que compartilho?

Paulo Franco Machado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *